Não existe o pós-colonial*

As caravelas continuam chegando carregadas de quinquilharias neoliberais que nos empurram goela abaixo enquanto observamos, em desespero, as chamas que consomem a falácia da civilização. Nós, que somos apenas mais uma engrenagem na máquina de moer gente, choramos sobre as cinzas de uma história que nunca mais será contada. Enquanto a ferida da colônia sangra, olhamos com incredulidade o fogo do capitalismo triunfante que nos destrói e nos impede de sonhar. Eles venceram, e continuam vencendo a cada instante. O projeto de destruição segue seu curso, incólume. Mas continuamos lutando sob o cansaço de uma luta vã, perdida de antemão. O fracasso de nossa existência se empilha sobre o pó de Luiza, desaparecemos junto com as línguas indígenas e os artefatos de nossa história. Desaparece um futuro que poderia ser o nosso passado, carregamos os restos de nossa utopia tentando salvar do fogo algo que nos dê um sentido. Dos escombros nada surgirá, que fiquem ali, nos lembrando que, para eles, não somos nada.40670105_2300509476631724_8036067953243848704_n

 

*Não existe o pós-colonial- Jota Mombaça

http://www.goethe.de/ins/br/lp/prj/eps/sob/pt16117914.htm